domingo, 23 de setembro de 2012

E foi tudo um sonho...

paris preto e branco

Sonho: sm (lat somniu) 1 Representação em nossa mente de alguma coisa ou fato, enquanto dormimos. 2 Coisa imaginada, mas sem existência real no mundo dos sentidos. 3 Coisa ou pessoa vista ou imaginada durante o sono. 4 Imaginação sem fundamento, seqüência de idéias vãs e incoerentes, às quais o espírito se entrega; devaneio, fantasia, ilusão, utopia. 5 Ficções comparáveis a um sonho e a que muitas pessoas se entregam mesmo acordadas. 6 Coisa vã, fútil, transitória, sem consistência, sem alcance, sem duração. 7 Coisa vaporosa e inconsistente; visão. 8 Recordação de coisa efêmera e que pouca impressão deixou na alma. 9 Idéia com a qual nos orgulhamos; ideia que alimentamos; pensamento dominante que seguimos com interesse ou paixão.

Sonho. Em francês rêve. Não sei exatamente quando ele começou. Há muitos anos, tenho certeza. Na escola, nas aulas de francês de uma professora apaixonada pela França. No início era uma coisa imaginada, sem existência real no mundo dos sentidos... conhecer a França era um daqueles sonhos distaaaantes.... Morar na França, então, nem se fala! Era totalmente sem consitência, sem alcance, sem duração....

Os anos foram passando... o sonho ficou ali guardado. Vez ou outra alimentado por uma música, um filme, uma bela foto da Torre Eiffel... mas nunca esquecido.

E é engraçado como a vida vai nos levando pra determinadas situações, oportunidades. E o sonho  que antes era devaneio, fantasia, ilusão foi se transformando numa ideia daquelas que alimentamos, num pensamento dominante que seguimos com interesse e paixão. 

E de repente, não mais que de repente, vi aquele sonho sonhado tantos anos se tornando realidade. Vi ele se tornando real ao ouvir meu primeiro bonjour em solo francês, ao estar embaixo da torre, ao estar em cima da torre, ao passar as férias de verão na Côte d'Azur... Mas vi que meu sonho era mesmo realidade ao ouvir um coro cantando afinado Joyeux anniversaire no meu aniversário, ao ouvir o hino da França no início de um jogo de futebol na casa de um amigo francês cercada de outros tantos franceses, ao pegar carona com uma amiga francesa pra fazer uma viagem e rodar por lindas estradas ouvindo uma rádio francesa... Sim... eu não sei em que momento eu criei esse sonho, mas me lembro exatamente de cada instante em que vi ele se tornando real.

Agora, de volta à minha casa, de volta à vida real não tenho dúvidas de que vivi um sonho em todas as suas definições, porque me pergunto, a todo momento, se tudo aquilo que vivi não foi apenas uma representação na minha mente, enquanto eu dormia... E aí concluo que, na verdade, foram ficções comparáveis a um sonho e a que muitas pessoas se entregam mesmo acordadas.


2 comentários:

  1. irene alves de assumpção costa23 de setembro de 2012 23:46

    carol, todas estas palavras saíram de dentro de sua alma mesmo?. Eu acredito sabia? porque quando a gente sonha com algo lindo de morrer como Paris ou algo como tal, descrevemos este sonho poeticamente, de tanto acalenta-lo. Se consegue realizar o sonho então, aí então voce canta poeticamente essa realização de sonho, em verso e prosa e música... parabens. tanto por realizar o sonho como por descrever para a gente, voce e o felipe merecem e vem mais por aí agora que começou a desbravar o mundo...beijos...

    ResponderExcluir
  2. Eu também tenho esse sonho.
    Quem sabe um dia...~

    Abs.
    Elvira

    ResponderExcluir